quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Esta notícia está incompleta!

O Jornal I avança que a estrutura do nosso cérebro influencia as nossas opções políticas. Eu acrescentaria: E a estupidez também!

O Tempo

O tempo é aquela coisa esquisita, indefinida, sentida apenas pelos relógios a cada passada que dão. Em toda a nossa vida lutamos contra o tempo, ou para chegar a horas, para chegar a algum lado sem atrasos, ou para que ele não se note no nosso corpo.

O mistério do tempo tem destas coisas. Ora queremos que passe depressa, ora queremos que ele pare. Quando queremos que passe depressa, ele anda mais devagar, e quando queremos que ele pare, os ponteiros aceleram. Como ouvi uma vez dizer, o tempo tem no relógio de pulso o seu polícia, constantemente a dar ordens.

É nesta altura do final do ano que temos uma maior consciência do tempo num grande plano. Não vos estou a falar dos cinco minutos de atraso. É nesta altura que nos consciencializamos de que o tempo nos foge pelas mãos, mais rápido do que a areia pelos dedos. Olhamos para trás e vemos aquilo que não cumprimos e tentamos refazer o caminho perdido. Objectivamos o ano que vem e poucos dias depois tudo isso se evapora.

Não façam planos. O Janeiro inóspito faz com que eles se dissipem. Está frio, estamos tristes e tudo exige ainda mais energia, energia essa que não temos nesta fase. Mas avancem, sem expectativas.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Menstruação bipolar

A menstruação é algo que não me é fácil de compreender. Talvez pelo facto de ser homem. Mas tendo de lidar com essa realidade todos os dias, pelas mulheres que me rodeiam, seja em casa, trabalho ou na rua, reparei que há menstruações bipolares. Diz que a menstruação é incómoda, dá dores de barriga, causa cansaço físico, pode até dar dores de cabeça, entre outras coisas, mas já assisti a uma mesma pessoa ficar, nessa altura do mês, extremamente irritadiça e agressiva como imensamente meiga e fofinha. Como é que uma mesma pessoa pode ter reacções tão diferentes? Só posso chegar a uma conclusão: a menstruação pode ser bipolar! Apodera-se da pessoa, tipo “queres ser John Malkovich?” e manieta a mesma conforme lhe apetece. Hoje estou sem paciência, ai de quem me dirija a palavra que eu discutirei até ficar sem voz. Ou então, hoje só quero mimo, estar aqui, sossegada no meu canto e ser tratada como uma princesa. Fico um bocado confuso, admito, acordo com algum receio até saber quem vou encontrar pela frente, se a Branca de Neve, se a Bruxa Má. Mas não sou contra, antes pelo contrário! As menstruações normais não têm piada nenhuma.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Amor fast-food

Há ali um drive in, vais, pedes o melhor hambúrguer, escolhes bem, levas para casa, aproveitas todo o hambúrguer e deitas fora toda a lixeirada que se acumula quando levas comida para casa e ainda podes ganhar uma indigestão. Assim é o amor fast-food: Vais, sais à noite, escolhes a carne, levas para casa e no outro dia, tens algo para deitar fora que não queres vincular a ti e até podes ficar com uma indigestão.

Dizes que não, sabes o que fazes e não ficas indigesta. Mostras isso, mas, e lá dentro, no teu estômago? Está ácido ou está mel? Como é que podes dizer que estás bem? Depois de uma comida rápida, que parece que satisfaz mas que depois nos dá mais fome, tens a certeza? Não queres um Kompensan, como quem diz, falar sobre isso, libertar o estômago das emoções? Não as tens? Tens de ter, todos temos. Temos corpo, mente, espírito e emoções. Tens o corpo que usas para as migalhas de atenção, a mente que te diz que isso te satisfaz, o espírito a quem baixaste o volume para não ouvir, e as emoções. A essas, chamas dor de barriga. Dizes que são indigestões. Engoles o que sentes, só para não sentir. Congelas a cara na máscara que preferes e continuas a fazer o mesmo. E quando é que vais perceber que te gastas? Que vais sempre sentir a mesma fome, porque o alimento que dás a ti própria não está a ser suficiente para te nutrir… Põe os pés no chão. Sente-te, a ti. Num todo.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Dedos, dedinhos e dedões.

Os dedos da mão têm nomes: Polegar, indicador, médio, anelar e mindinho. Porque é que os dedos dos pés não têm? Declaro que é necessário dar nomes aos dedos dos pés!

O grande, equivalente ao nosso polegar, deve ser nomeado de Dedão. Faz todo o sentido, é o grandalhão! É o rei gordo...

O outro a seguir, deve se chamar o Altinhos porque, na maior parte dos pés, é mais alto do que o Dedão.

O do meio pode ser chamado de Terceiro a Contar do Fim e do Princípio, porque é o terceiro em qualquer contagem. Para sempre medalha de Bronze...

O quarto dedo é o Lixado porque no meu pé, fica sempre debaixo do Terceiro a Contar do Fim.

O último só pode ser o Caguinchas! Já me viram bem aquele dedinho, aquela miniatura? A tendência da evolução do ser humano é para deixar de ter aquele dedo para breve, uns milhões de anos, mais coisa menos coisa... Até há quem já nem tenha unhinha no Caguinchas!

E com isto meus caros, temos um vocabulário mais rico, mais composto!

No more weasel...

Estou de rastos com esta notícia, os Da Weasel anunciaram o fim da banda! Como é que é possível! Eu aqui à espera que se começasse a falar de um novo álbum! Fiquei triste! Os concertos mais divertidos e dançáveis que assisti foram os de Da Weasel. Num ano assisti a uns 10 concertos! Onde eu ia, eles estavam! Fui a Odemira, eles estavam lá, Cacela Velha... E depois os Sudoestes, Monsanto...

Apesar dos projectos individuais onde o Virgul e o Pac Man já estavam inseridos, estava esperançosa de que fosse uma fase e que brevemente poderiam voltar com um novo álbum, tão estrondoso como o último. Eles inovaram o cenário musical em Portugal e eu estou grata por isso. Aguardo pela reunificação do grupo, já que agora é moda, pode ser que o façam antes do verão...

No fundo, no fundinho!

Gosto muito da expressão "tem bom fundo". Mas não percebo. Dizemos que uma pessoa tem bom fundo quando tem boas intenções, quando é uma boa pessoa! No Priberam, a definição de fundo é de grande altura, profundidade, e aí já percebo! Tem espaço dentro de si... Eventualmente! E se tem um grande espaço entre costelas, provavelmente tem um grande coração, será?

De salientar que a palavra do dia no site do Priberam é reigada - que não é nada mais nada mesmo do que o rego entre as nádegas de certos animais! Meus caros, agora sim, podemos dizer que vamos para o fim de semana mais cultos!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Efemérides!

Todos os dias vou ver as efemérides ao Wikipédia. Hoje deparei-me com uma coincidência muito interessante. Fazem hoje 93 anos que os EUA entraram na 1ª Guerra Mundial, e 69 anos que entraram na 2ª Guerra Mundial! E não sou de coisas mas eles deviam de fazer um hari-qui-ri ao dia 7 de Dezembro...

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Ele há com cada um!

Eu acho que há malta que não tem nada para fazer e têm muito fel nas vísceras! Que a malta não goste que o outro pisque o olho no fim do Telejornal ainda é naquela! Agora dar-me ao trabalho de me queixar disso ao Provedor do Cliente... WOW!

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

E a grave pah? Parte 2

Também considero que seria útil distinguir quem fez greve, quem não trabalhou porque não tinha transportes e quem teve de ficar em casa porque os filhos não tiveram aulas... Será que tudo o que foi malta que não trabalhou fez greve? Vai na volta incluíram os que estão de baixa! hehe!

Outra, porque é que os principais dirigentes sindicais deste país vão para um local onde os salários vão sofrer aumentos de 3.9%? Porque não foram para os locais de trabalho da função pública? Afinal esses sim vão sofrer cortes salariais.. Não entendo! Concordo com a greve, acho que cada um deve ter livre arbítrio para decidir sobre isso - acho os piquetes de greve rídiculos - e acho muito bem que haja contestação, afinal somos muito brandos no que toca à refilice. Mas façam as coisas como deve ser...

E a greve pah?

Dizem que foi um sucesso e que obriga o Governo a dialogar. Eu digo: não fui afectada pela greve, trabalhei e nem a vi de soslaio. Mais, dialogar com o Governo? Nem que peçam ao Pai Natal e muito menos em caso de ganharem o Euromilhões isso vai ser possível!

Para mim, pessoa pouco experiente neste campo que é a vida profissional sindicalizada e coroada pela contestação, acho que a única forma do país se safar é a trabalhar! No duro! Não há cá? Vamos criar emprego! Ou vamos temporariamente lá para fora e trazer dinheirinho com as remessas (que assim o país safa-se sem ter de se chatear muito... Como antigamente, sabem?)

Este país está habituado a fazer asneira. Mal iniciámos o nosso esforço de desenvolvimento industrial, pumba, descobrem ouro no Brasil! Assim já não foi preciso trabalhar! Hoje é o mesmo, sendo o ouro as remessas ou os subsídios que por aí andam, para pequenos e para graúdos, sejam os de inserção social, sejam as ajudas dos FMI's desta vida e da UE. E quem se lixa? Meus caros, é sempre o mexilhão!!

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

As esposas da Geórgia

Claro que o 2 não poderia deixar de comentar o mini-escândalo abafado, das meninas convidadas para uma festinha num hotel de luxo, pela comitiva georgiana. Diz que a comitiva da Geórgia que esteve na Cimeira da NATO, mais uns quantos da comitiva da Arménia, se fizeram acompanhar por 80 prostitutas e que as senhoras entraram no hotel como sendo suas esposas. Parece então, que a Cimeira fez esgotar a lotação de hotéis e não só! Já imagino as senhoras a entrarem bem pomposas no hotel com os seus maridos de empréstimo a dizer "Na Geórgia as mulheres vestem-se de forma muito própria!".

Certo é que só sabemos disto porque o barulho foi tanto que a comitiva francesa fez queixa! O hotel conseguiu resolver calmamente a situação e cabe-me salientar que, se os media dizem 80, devem ter sido 10... Já sabemos que quem conta um conto...

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Vá pelos seus dedos...

Despedimento colectivo nas Páginas Amarelas! Ao que 2 apurou, em vez de "vá pelos seus dedos", a administração disse "vá pelos seus pés"... Ou melhor, deram com os pés! Parece que a moda ficou para ficar. Resta saber que de facto está aflito e despede os seus funcionários esgotando todas as possibilidades, e quem se está a aprovaitar da tal da crise para se por na alheta com uns trocos a mais no bolso...

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

A Cimeira

Cá estamos nós, portuguesinhos, à beira da Cimeira da Nato. A organização deste evento em Portugal poderia ser interpretada como uma coisa fabulosa para o nosso país, e em algumas situações é. Em outras não, de todo. De salientar e aplaudir que esta é a primeira cimeira da Nato em que os convidados pagam as suas despesas de deslocação e estadia. Acho óptimo, pois aposto que já estamos a entrar com muito para catering, segurança, entre outros.

Crítica fundamental: As restrições. Compreendo a necessidade de segurança e de isolamento do espaço onde se realiza a Cimeira. Daí até perturbar toda a cidade... Acabei de ler que vamos ter perturbações na CP. Na CP? Será na Estação do Oriente, perguntam-me, não, não é e refiro que também vão existir perturbações na Carris.

O mais interessante disto tudo: as delegações dos convidados vão estar instaladas em grandes hóteis por toda a Lisboa, quer isto dizer que vamos estar encurralados em qualquer avenida, rua ou praceta da grande cidade? Mais, num país onde a falta de produtividade é um problema e um entrave para a economia, vai haver uma tolerância de ponto? Existe isso nos outros sítios onde organizaram outras cimeiras a este nível? Aplaudi a decisão da Câmara de Lisboa de não aceitar a tolerância, vamos a trabalhar, que é isto que o povo precisa!

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Então e eu?

Estou chateada, o Godinho gastou mais de um milhão em presente e eu nada! Puxa! Na lista estão coisas que me fazem tanta falta, como a árvore de Natal, por exemplo! Que chatice ser pobre e não conhecer um sucateiro!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Ainda sobre o IVA, parte II

No seguimento da informação avançada pela Revista Sábado e expressa no nosso blog, ao que o 2 conseguiu apurar, o leite, companheiro de vida do cereal de pequeno almoço, vai igualmente fazer greve contra o aumento do IVA dirigido ao seu amigo. A juntar-se o pão ficamos sem ideias para comer de manhã!

O adeus final.

Faleceu o Senhor do Adeus. A primeira vez que o vi no Saldanha foi propositado, demos a volta para lhe esbracejar um grande adeus. E comovi-me. Eu, o grande coração empedernido que era. Disse adeus com muita energia, e foi isso que recebi de volta. E não era só dizer adeus, ele baixava-se para ver a quem acenava. Nunca me esquecerei desse momento especial. Obrigada, e adeus para ti, homem especial.

Dia de São Martinho!

Hoje é dia de São Martinho, ou Magusto, dia regado em Portugal por jeropiga e água pé e com umas quantas castanhas para ensopar! Reza a lenda (adoro esta frase mítica, reza a lenda!) que um militar a prestar serviço na actual França, de seu nome Martinho e lá para os anos 300 e tal, encontrou no seu caminho um mendigo cheio de frio que lhe pediu esmola. O senhor, como não tinha esmola, rasgou metade do seu manto e dividiu-o com o mendigo. Rapidamente se abriram os céus e se fez calor, instaurando-se o verão de S. Martinho.

Certo é que por esta altura faz sol. Certo é também que a ciência já fez questão de arranjar uma justificação para que o verão de São Martinho deixe de ter uma justificação mística. São uns ventos que vêm e afastam as nuvens e tal. Eu gosto mais da versão mística, apesar de não ser religiosa. a magia destas histórias é muito mais bonita e intensa.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Ainda sobre o IVA

Os cereais de pequeno almoço pedem IVA reduzido, segundo a Sábado. Visão imediata: Cheerios e Chocapics na manif de dia 24: "Os cereais não são banais, e por isso não queremos mais!"..."IVA a menos, cereais para mais!"

domingo, 7 de novembro de 2010

Globo

Se são da minha geração ou próximos, têm de ter um globo destes! A não ser que tenha sido despachado numa arrumação daquelas à séria em que deitamos fora metade da casa. O meu dá luz, atenção, e é mesmo velhinho. O que eu gostava de saber era se também vos acontece pegar no globo, rodar, apontar o dedo e considerar "Sim, eu era pessoa para ir aqui!". Quando era mais pequena fazia-o pela curiosidade geográfica, agora o interesse é outro, embora não seja o mesmo do Príncipe que vai para NY escolhendo o destino através da ponta do dedo. Ele queria encontrar uma rainha, eu quero sonhar que vou a todos os cantos do globo, incluindo aqueles onde o dedo só encontra água.

Viajar é das melhores formas de evoluir, não significando que quem fica não evolui. É claro que temos de ir com essa predisposição. Se vamos com horários rígidos e coração fechado só vamos evoluir no número de museus que visitámos e na quantidade de fotos que trazemos para casa. Eu aposto mais em trazer memórias, trazendo igualmente um número absurdo de fotos, e despachando os museus para quando e se me apetecer.

Gosto especialmente de viver o outro sítio, observar. Dou por mim a achar imensa piada à inexistência de antenas em edifícios, à planta da cidade, às caras das pessoas e tentar decifrar quem é de cá e quem não é. E principalmente, conhecer a gastronomia. Não me venham com tretas nem dietas quando vamos de férias, só o dinheiro me limita quando toca a comida!

Serei só eu a sonhar com o globo de infância?

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Um recadinho

Quero só deixar um recadinho para o FMI e todo o modelo económico capitalista que tende a permanecer no nosso país: vão-se encher de cocó. Numa era em que a vitalidade económica do país se mede mais pelo que se diz do que pelo que se faz, algo está errado na xafarica. Por um lado temos a estrangeirada que nos acha pouco produtivos (com razão) e pouco fléxiveis no mercado de trabalho (eu aí diria que o problema é outro: o encontrar emprego pelos conhecimentos que se tem e não pelas qualidades e capacidades); e por outro temos aquela classe que nos governa, esses, os políticos.

Não querendo ser azeda, devo explicar que, apesar de nunca ter tido cor política (considero-me apartidária por não existir nenhum partido que jogue com o meu), tinha a secreta esperança de que quem lá estava saberia o que andava a fazer. Esta minha ingenuidade acabou quando comecei a pensar melhor nas coisas e quando me tornei num peão no mercado de trabalho.

Hoje penso muito na despesa pública, mais do que devia. Serão reais aqueles e-mails que às vezes recebemos com indicações sobre salários absurdos, reformas pornográficas e regalias escandalosas? Será? De vez em quando sopra qualquer coisinha nos media, mas rapidamente desvanece como se alguém pegasse no jornal e com o ajax fosse limpar janelinhas.

Como diria o outro, e o povo pah? A ser verdade, o povo cala e consente? Continuamos a ser um povo de brandos costumes? Creio que nos falta estrutura, a nível do povo. Estrutura organizativa. Se somos tão bons a organizar o maior bolo do que quer que seja para entrar no Guiness, não conseguimos uma estrutura pública, não politizada para abalar a estrutura política? Deixei de acreditar nos políticos, mas não quero deixar de acreditar nos portugueses.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

O dia de hoje!

Caríssimos, hoje é um dia importante:

- É o Dia Internacional do Homem e ninguém fala nisso, só o da mulher importa e os que dão direito a ficar com a belfa em casa;

- Há 53 anos foi lançada a Laika para o espaço, claro que morreu, aqueles russos são uns mauzões, seja homem, seja animal vai tudo...;

- Faz anos que o Colombo avistou a Ilha Dominica, não sei se será feriado lá...;

- Um elemento do blog faz anos e eu exijo feriado!

Tenho dito.

Amor submerso!

Diz que, sobre o negócio dos submarinos, foi confirmada em Tribunal uma relação amorosa! Seria entre os dois submarinos? Estariam eles amantizados? Que fofinho!

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Tampas de esgoto? Diga lá outra vez?

Andam a roubar tampas de esgoto? Tampas? De esgoto? O caso, caricato, acontece em Sintra e num mês foram fanadas 300 tampas de esgoto. Como ainda por cima a Câmara sofreu uma ruptura de stock, alertamos os Sintrenses para o perigo de cair num buraco e seguir até ao mar. Fosse no verão e o problema de estacionamento nas praias de Sintra ficava resolvido! Já antes tínhamos de andar aos zigue-zagues por causa das tampas de esgoto, agora andamos porque elas não estão lá!

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Discussão sobre Orçamento

E não há acordo para ninguém!

Com acusações de parte a parte e com Conselho de Estado marcado por Cavaco Silva para sexta-feira, falharam redondamente as negociações entre o Governo e o PSD para validar o Orçamento de Estado. Eu tenho uma ideia, um molly maid político! Era varrer aquela malta toda, aplicar uma lixívia potente que permita eliminar tudo o que é sujidade e manchas (tipo cillit bang), e deixar uns dias as janelas abertas para arejar! Depois fazíamos um casting, tipo Ídolos, para um novo reality show que teria como base criar um novo governo e também, uma nova oposição (essa também não se safa, tenham dó!): "Queres ser o próximo Ídolo Político de Portugal?". Colocá-los todos na mesma casa com câmaras seria útil, ora vejam: era tudo mais transparente porque víamos tudo, e fechados a 7 chaves, que remédio tinham eles em se entender!

Relato das negociações para o Orçamento de Estado

É como o pisca do carro: agora há acordo, agora não há acordo; agora parece que há quase acordo, agora parece que já não vai haver; agora já há fumo branco, agora há fumo negro; agora sim, agora não; agora está quente, agora está frio... Senhores, já estou mais zonza do que se estivesse a assistir a um jogo de ténis!

terça-feira, 26 de outubro de 2010

O Zeppelin

O Zepellin foi mais uma daquelas grandes invenções que ficaram com o nome do seu inventor. Neste caso foi o conde Ferdinand Von Zeppelin, na Alemanha. É um meio de transporte que me fascina, principalmente pela sua dimensão e história. Não sabia, mas ao que parece este dirigível era muito usado para fazer travessias transatlânticas com passageiros, na década de 1930. Tenho pena de não ter vivido nessa época e de ter feito uma viagem dessas, devia de ser mais assustador do que a passagem do terror na feira popular de Lisboa, e mais demorado, óbvio. Esta imagem mostra o Graf Zeppelin em Pernambuco, em 1932 (fonte: Wikipedia). O primeiro voo transatlântico, no entanto, foi entre Frankfurt e Nova York, tendo durado 112 horas! E ainda refilam com o que demoram de avião? Meus caros, não queiram ir de Zeppelin! De referir que o Empire State Building foi inicialmente projectado para ser um terminal e zeppelin-porto, inventando a designação.

Tinha ideia que devia de ser assustador, mas dizem que o espaço interior era muito confortável e até tinha camarotes. Ainda assim, e de acordo com a única coisa que sabia sobre o Zeppelin, um dia ele veio abaixo. Ao que parece, o novo modelo, Hindenburg, era maior e precisava de muito mais hélio do que o normal, no entanto, e com problemas de embargo com os EUA, principal fornecedor desse gás, a empresa terá optado pelo hidrogénio. Um ano depois desta opção e depois de chegar do outro lado do Atlântico, o Zeppelin incendiou-se e ficou destruído muito rapidamente.

Ao que consta, não foi este acidente que terá tirado o Zeppelin do mercado, mas sim o início da guerra e por motivos políticos. E assim desapareceu o balão esquisito... E muito mais coisas com a guerra, mas isso é outra história...

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Operações fantásticas!

Adoro os nomes que a nossa PJ dá às suas operações. Hoje terminou com sucesso a operação "Caverna do Tesouro" em que foram apreendidos quadros falsos de autores como Picasso, Miró ou Leonardo Da Vinci. Mas já tivemos nomes como "Primavera Adiada"; "Face Oculta"; "Apito Dourado" - tão famosos -; "Erva Daninha"; "Guns'n'Roses" (esta eu percebo bem); "Operação Ferrugem"; "Operação Tupperware", entre outros. Eu gostava de trabalhar na PJ só para inventar os nomes das operações... Podia inventar a operação busca-busca, a operação bate e foge... Enfim, é um mar de possibilidades!

A União Zoófila precisa de ajuda!

Para comprovar que não venho aqui só refilar, venho hoje fazer um apelo: A União Zoófila (UZ) precisa de comidinha para os seus canitos e gatitos! Vejam o que podem fazer no site da UZ!

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Desabafos: Aumentos na Auto-Europa

António Chora, da comissão de trabalhadores da Auto-Europa, lutou para que o aumento fosse de 3.9%. Se eles têm um Chora e dá nisto, eu quero um chorão!

Whatever...: E se?

E se o FMI viesse a Portugal? E então? Será que assim teríamos medidas justas que chegassem a todo os quadros da sociedade - principalmente os mais abastados? Está comprovado que sozinhos, governados por imbecis não chegamos lá. E como já temos a mania de importar tudo, importavamos alguém para zelar por nós!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Whatever...: Paz e Amor

Depois do manifesto, prometo paz e amor.
Não destilarei, a não ser que me provoquem!
Não maltratarei, a não ser que estritamente necessário!
Não resmungarei, a não ser que seja para me irem ao bolso!
Não me queixarei, vou ignorar e viver em Paz e Amor! (Paz, paz paz... nos nossos rabiosques...)

Manifesto

Como é possível olhar para tudo isto e ficar em silêncio? Como é possível ligar as televisões e todos os dias e ver o nascimento de uma nova barbaridade, a que pomposamente chamam de medida de austeridade? Como é possível sermos um país de tão brandos costumes? Quando é que será suficiente para nos revoltarmos e pedirmos respeito pelo povo? E quem me responde a estas perguntas? Ninguém... Porque ninguém quer saber. Estamos todos à espera que alguém faça alguma coisa, que o vizinho do lado reclame, que se juntem todos e se manifestem, mas eu não, eu não vou lá, eu não faço nada... E com este pensamento ficamos todos em casa, a reclamar alto, mas sozinhos. A dizer o que devia ser e o que devia não ser, mas sem ninguém a ouvir.

Acredito que existem mentes brilhantes neste país. Acredito que existem pessoas com ideias capazes de reestruturar este país e fazê-lo avançar. No entanto sinto-me descrente com a massa política. Em tempos fui ingénua e achava que eles sabiam o que fazer e que zelavam por nós. Tretas. Ninguém quer saber de ninguém, querem saber deles e dos seus amigos. Querem criar empresas para os amigos, os jobs for the boys. Eu não acreditava que isso existia, até agora. Comecei a achar estranho, os ex-políticos têm sempre onde cair quando saem da política. Porquê? Porque é que não existem oportunidades para os jovens brilhantes que sabem gerir, que estiveram lá fora, que sabem o que fazem? Não, é melhor arranjar qualquer coisa para os amigos. Os jovens inteligentes? Deixem-nos ir para fora, eles que estudem na Sorbone ou que façam estágios em grandes empresas em Londres, onde o seu mérito é reconhecido.

Para onde caminhamos quando as medidas de austeridade são de tão curto prazo? Estamos a pedir dinheiro emprestado ao futuro! E para o ano, mais do mesmo? Quando é que penalizam os grandes e os muito grandes? Quando é que apostam em medidas estruturais que alterem o modelo de produtividade do país? Quando é que apostam na produção nacional e aumentam as exportações, diminuindo as importações?

Porque é que temos de ser penalizados na factura da electricidade para salvar a RTP? É algum Banco que precisa de ser salvo? Se a RTP for à vida nós sobrevivemos melhor do que se for um Banco! Aumentar o IVA do leite só porque é achocolatado? E das conservas? Mas anda tudo louco e ninguém vê? Porque se é necessário salvar o país, então meus caros políticos, não o tivessem colocado na guilhotina! Sim, porque desbarataram o país, geriram mal os fundos na União Europeia, compraram submarinos e agora nós é que temos de esvaziar os bolsos! Temos pessoas com fome! Pessoas que recebem subsídios e não deviam receber! Salários pornográficos! Reformas ainda mais pornográficas e cumulativas! Mudem isso! Sejam uns homenzinhos, sejam Portugueses, mas não desse tipo que têm sido. Sejam os Portugueses que saíram nuns batéis sem medos nem temores! Sejam sérios! Aniquilem o velho do restelo e provém que ele está errado! Não voltem a parar perante o ouro do Brasil, os fundos da União Europeia ou outros facilitismos! Mexam-se, façam e acontecerá!

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Inimigo público em pobrezinho: O caso de sucesso da Vaselina

A venda da vaselina em Portugal tem sofrido aumentos consideráveis desde que começaram as notícias sobre as medidas de austeridade. O caso de sucesso é tão grandioso que se regista também em países como a Espanha, a Grécia e a Irlanda, mas não tanto como no nosso país.

As filas nas farmácias e para-farmácias não pára de aumentar e encontrámos um indíviduo que tinha tirado a senha número 234 às 7h da manhã: "Estou aqui desde as 7h da manhã, muito aflito, mal me aguento em pé e nada de avançar!"

Ao que o 2 conseguiu apurar, o Governo está a ponderar, inclusivé, diminuir o IVA associado ao produto que poderá atingir o mínimo histórico de 1%.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Whatever: Mãe Querida Versus Prof. Marcelo








É com extremo pesar e profundo receio de represálias familiares, que partilho convosco o seguinte: o Prof. Marcelo " Sou mais rápido a virar  livros que o Petit a virar rótulas" Rebelo de Sousa, no seu mais recente número de stand up semanal (a.k.a. TVI Jornal) fez-me lembrar a minha mãe! ( Deus mantenha a minha mãezinha tão próxima da blogosfera como o Jorge Jesus está da Gramática do Lindley Cintra. Acho que ela não ia resistir a este golpe...) Passo a explicar:

Estamos perto do Natal, que é como quem diz, meados de Outubro. De forma subtil a minha mãe pergunta:

Já sabes o que é que vais fazer no Natal? Não? Não é que eu me queira meter. Tu fazes como quiseres, filha. É só para saber se tens um bocadinho para vires cá a casa, mas tu é que sabes. Tu vê lá, faz como quiseres! Só se puderes.

Tradução:

Se não apareces cá em casa no Natal, só me voltas a ver os dentes no dia em que a Paris Hilton ganhar um Nobel da Literatura!

A forma como o douto comentador "aconselhou" Pedro Passos Coelho a "engolir" o Orçamento padece do mesmo grau de subtileza, a meu ver. Passo a citar:

«Há um risco de colapso financeiro. E quando há esse risco o que se pede ao líder da oposição é que pense duas vezes nas consequências do seu sentido de voto»

Tradução:

Pedro Passos Coelho: Posso vetar o Orçamento?
Marcelo Rebelo de Sousa: Podes.
Pedro Passos Coelho: Mas, devo fazê-lo?
Marcelo Rebelo de Sousa: Não.
Pedro Passos Coelho: Mas assim estou a contradizer-me!
Marcelo Rebelo de Sousa: Pois estás.
Pedro Passos Coelho: E o que é que me acontece?
Marcelo Rebelo de Sousa: Nada!

Correcção: Nada, não. Provavelmente recebe S. Bento como medalha de bom comportamento.

P.S.: Acabei de perceber que fruto desta analogia, minha mãe está para o Marcelo, como eu... Como eu... Estou para o Pedro Passos Coelho! Levem-me rapidamente para um divã e convoquem um discípulo de Freud, com carácter de urgência. Caso contrário, favor retirar todos os objectos cortantes do meu alcance...

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Whatever...: Perdidos no Mundo

Como eu gosto muito de datas, faz hoje anos que o Colombo deu com as Bahamas e achava que estava na Índia! Também já me aconteceu. Pensava que estava na Tugaria e afinal tou na República das bananas!

Desabafos: Traffic

Alguém me consegue explicar o trânsito em Portugal? Uns dias há; noutros há porque chove; noutros chove e achamos que vai haver e não há; and so on...

Depois, com trânsito encontramos tudo:

- Os pioneiros, que fazem o trânsito porque demoram 4 dias a avançar numa rotunda ou deixam o equivalente a 5 carros de distância do carro da frente;

- Os espertinhos que vão mudando de faixa numa tentativa desesperada de alcançar o destino e aos quais normalmente é aplicada a lei de Murphy: a faixa do lado anda mais, eu mudo de faixa, ela vai andar menos;

- A malta que aproveita para fazer uma limpeza profunda à sua cavidade nasal e que de vez em quando se baixa para colocar o material tóxico debaixo do banco do carro;

- Aquelas que ainda vão a colocar o rimel ou os que ainda vão às dentadas no pãozinho;

- E aqueles, onde me enquadro, que vão a ouvir o Portugalex e vão a rir sozinhos no carro com o ar mais ensandecido do mundo.

De Inverno há um aumento exponencial de carros avariados, com sorte na berma, com azar no meio da faixa da esquerda, e também acidentados. Se o Português não fosse mórbido e não abrandasse para ver o estrago, a coisa ainda rolava, mas não, a malta gosta de ver sangue e vai devagarinho para ter uma história para contar quando chegar ao escritório... atrasado!!!

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Whatever...: GNR em Portugal

Diz que ontem vieram cá os Guns n' Roses. Não fosse eu uma pessoa que gosta de ler jornais e não sabia de nada. Sim, eu assumo, houve uma fase em que eu gostava de GNR, e sim, eu tinha 9 anos quando o Use your Ilusion foi lançado e a minha irmã tinha o LP. Será que isto conta para stress pós-traumático? Talvez não, eu era de facto muito nova e vibrava com o November Rain só porque faço anos em Novembro.

Diz também que demoraram cerca de hora e meia para entrar em palco. A questão que fica é: como é que ainda conseguem ter tiques de estrelas? Hello?

Encontrei uma lista de exigências da banda, que vos deixo aqui:

1) Camarins inteiramente negros e decorados com rosas frescas, 18 vermelhas e 18 brancas.

2) Champanhe

3) Vodka

4) Tequila (Patron Anejo)

5) Vinho Tinto

6) Cerveja (6 x Lucky Budha, Grolsch e Checkvar)

7) O quarto deve ter luzes opacas

8) Uma cama

9) Um sofá

10) Uma "coffee table"

11) 6 candeeiros e um tapete

12) Guardanapos pretos

13) Um liquidificador

14) Uma máquina de sumos

15) Uma chaleira

16) Lenços de papel

17) 18 copos (para vinho e champanhe)

18) 15 copos para coquetéis

19) 40 copos de papel

20) 6 faqueiros

21) 2 saca-rolhas e abre-latas

22) Facas para pão: 1 grande e 2 pequenas

23) Sal e pimenta

24) Azeite

25) Vinagre balsâmico

26) Molho de soja

27) 2 frascos de mel em forma de urso

28) Coquetel com tequila Jose Cuervo

29) Red Bull

30) Coca-Cola

31) 7 Up

32) Uma embalagem de sumo de laranja

33) Água mineral de marcas Pellegrino e Smart Water

34) Fruta: bananas, maçãs, morangos, amoras, melancias, mangas and uvas

35) Vegetais mistos: cenoura, aipo, pepinos

36) Vários tipos de bolachas "crackers"

37) 7 tipos de queijo

38) Compota

39) Condimentos: maionese, ketchup, mostarda

40) Pão de forma

41) Ao jantar: frango assado, 2 postas de filet mignon mal passadas, uma salada "Cesar", 4 cheeseburgers e uma salada de espinafres

Quero fazer um apontamento sobre o número 27: frascos de mel em forma de urso. Oi? Sim, em forma de urso. Devem ser fãns do Winnie the Poo. Tudo o resto eu ainda acho normal. Agora, frascos em forma de ursos? E será que tem de ser um urso especial?

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Desabafos: Novela da TVI nomeada para Emmy

Não sei se rio, se choro! Mas é mesmo verdade! E vai agora lutar pelo Emmy contra uma novela Argentina e outra Filipina! É mesmo!

Whatever...: Pedido de ajuda

Alguém me consegue arranjar uma foto da entrevista do treinador do Sporting, no Beira Mar, na Segunda-feira? Viram aquele pacote de tostas à frente dele? Mini-grill?

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Whatever...: Parabéns ao Sputnik!

Caros leitores, é com muito gosto que anuncio o aniversário do lançamento do Sputnik I! Fazem hoje 53 anos que o dito foi lançado ao espaço. Sem ele, os tampões seriam apenas conhecidos como tampões, o que não teria graça nenhuma...

domingo, 3 de outubro de 2010

Críticas: Meos amigos, vamos lá com calma!

Não sei se já vos disse, mas detesto a Meo, o problema é que também detesto a Zon. São dois irmãos gémeos separados à nascença que, embora tenham seguido caminhos separados são tão iguais que podiam estar numa novela da TVI.

Não tenho telefone, o meu serviço Meo baseia-se em Internet e Tv. Nada mais simples, pacote básico, sem grandes luxos, nem Sportv nem canal de mulher despida. Poderia parecer simples e fácil, uma relação para todo o sempre, mas não. Assinar um contrato com uma empresa destas é semelhante a um casamento: os altos e baixos existem, as discussões inflamadas também. Ah, e o processo de divórcio também é complexo, doloroso e mete uma série de papelada.

Antes de ter ficado com vontade de me divorciar da Meo, vivemos momentos felizes. A Internet era um pouco frouxa, às vezes até não se aguentava em pé, mas cumpria o seu papel e eu ficava satisfeita. Os seus canais, embora básicos, iam me entretendo em noites chuvosas em que era eu, Meo e um sofá.

Aos poucos a Internet deixou de me satisfazer. Sem fios e sem estar muito longe do seu amigo router, andava sempre em baixo. Clicava eu no estado da ligação e ele dizia muito tristonho: "estou em baixo, hoje não dá para mais...". Fiquei infeliz e enviei um e-mail para o centro de apoio que, passados uns 15 dias, me deu uma série de mezinhas para resolver o meu problema e tentar recuperar a pujança da minha ligação.

A Internet foi sempre funcionando, embora em baixo de forma... Um dia deixou mesmo de dar sinal e eu cometi o meu primeiro grande erro da relação: liguei para o centro de apoio! Começou uma longa novela.

Ora, quando ligamos para o centro de apoio, o que é que a gravação pede? O número de telefone do serviço. Pois, qual telefone se eu não tenho telefone? Também pede o número de serviço que está na factura. Enquanto alcançamos a factura já estamos a arder com uns 2€ no telemóvel... Lá colocamos o malogrado número e a gravação indica que temos de colocar novamente, pois o indicado não está correcto! Mais uma tentativa e como não assume, transfere a chamada para um ser que está do outro lado de lá do telefone e que normalmente tem sempre uma voz muito fatigada.

Pedem elementos para nos identificarmos e nós começamos a fazer as queixinhas sobre a nossa relação. Eles dizem compreender o nosso sofrimento e fazem uns testes (eu acho que não fazem nada, estão lá a jogar à sardinha uns com os outros enquanto dizem que estão a fazer testes!).

A seguir vem uma série de ordens para cumprir: Sr.ª D. Ananicas, desligue o router no botão; mude o fio amarelo de sítio; desligue a box; agora corra até à outra divisão e faça o kick-sizing on the double back no seu PC; agora corra e ligue o router; agora vamos esperar 2 minutos enquanto as luzes do router piscam e você gasta dinheiro; agora diga-me se resultou, não resultou? Ah, então vamos fazer tudo de novo... E eu desesperada pergunto, mas não me podem ligar, eu estou a ficar sem dinheiro no telemóvel! Não, não podem, não estão autorizados! E pumba, chamada caiu. Nova tentativa de outro telemóvel também à beira do colapso financeiro: Posso voltar a falar com o Não Sei Quantinhas, é seu colega e a chamada caiu porque não tenho dinheiro no telemóvel... "Ah, não, não podemos ligar de volta, mas eu vou ajudar". E lá está, vamos contar a história toda, novamente!

Claro que fiquei outra vez sem dinheiro no telemóvel e entretanto, não sei onde mexi, mas fiquei com Internet no PC e graças àquelas brilhantes cabeças, sem Internet no portátil... Boa! Reclamei, claro, por e-mail. Querem uma dica? Dêem conhecimento à Anacom. Não vale de nada referir a DECO, essa não mete medo a ninguém, é como se fosse a nossa sogra a proteger o seu filhinho!

Ainda com esta reclamação pendente, fiquei sem Internet e sem Tv esta semana... Vou poupar os detalhes, o que aconteceu foi basicamente o mesmo, excepto o facto de não ter ficado sem dinheiro no telemóvel. Desta vez, após 15 minutos a falar com os carolas de primeira linha, transferiram-me para uma outra área que, imaginem a benesse, já nos podem telefonar! Grande avanço hein! Vou ter de fazer mais uma reclamação porque entretanto deixaram-me pendurada entre transferências de chamadas e pelo menos 12€ de telemóvel foram à vida.

Claro que estava inocente, era a Meo que estava com problemas e eu fiquei sem serviço durante uma diazinho. Quero ver se vão descontar alguma coisa na factura! Relações destas? Puff, só servem para gastar dinheiro!

Portanto, meus caros, se tiverem algum problema, falem comigo, fiquei expert em desliga botão, muda fio, espera pela luz que pisca... Relacionamentos destes é comigo!

sábado, 2 de outubro de 2010

Sobre o post do seguidor...

Para que as vossas caximónias, vulgo cabecinhas, tenham tempo para carburar, vamos prolongar o envio das vossas participações!

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Whatever...: Raiva

“Raiva é um sentimento de protesto, insegurança, timidez ou frustração, contra alguém ou alguma coisa, que se exterioriza quando o ego sente-se ferido ou ameaçado. A intensidade da raiva, ou a sua ausência, difere entre as pessoas.” – Wikipedia.

A minha hoje está nos seus mais elevados níveis. E as consequências são: violência verbal, física, ódio ou comportamento agressivo... Do not talk to me...

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Apelo

Caros leitores,

Existe uma miríade de temas que podem ser explanados no nosso blogue, basta, por exemplo, falar sobre o nosso país. Acho que só por aí têm tema suficiente para fazer rir, chorar, quiçá inspirar alguém.

Escrevam! Enviem os vossos textos, pequenos, grandes ou assim assim. Sobre o que quiserem, desde que comece por "Peço apenas 2 minutos de atenção porque...". Escrever pode ser catártico e evitar gastar dinheiro em ansióliticos ou consultas no psicólogo.

Se são envergonhados, o texto pode ser publicado sem fazer referência ao seu autor. E ainda para mais temos um prémio, aliás dois: vinho e chouriço! Agora que está a ficar frio, quem resiste a este espectacular prémio?

Vá, puxem pela cabeça e pelas pontas dos dedinhos e comecem a escrever. Enviem tudo para o nosso e-mail: 2minutosatencao@gmail.com

Estamos à vossa espera, à espera das vossas ideias, inspirações e, quem sabe, remendos para a nossa sociedade?

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Whatever...: Mulheres discriminadas nas notícias?

Foi feito um estudo internacional sobre os principais alvos das notícias e a maior parte dos intervenientes (ouvidos ou protagonistas) são homens, ou seja, as mulheres aparecem menos nas notícias. Apesar de um claro aumento comparativamente à 15 anos, a maior parte das notícias coroa o homem como personagem principal.

Outra curiosidade deste estudo é que, a idade das mulheres e o seu estatuto familiar são mencionados muito mais vezes do que nos homens. É caso para reflectir. Estaremos continuamente à procura de equilíbrio em todos os quadrantes da sociedade? Vamos ter de queimar soutiens durante muito mais tempo, ou será que nunca vamos poder deixar de o fazer?

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Desabafos: Jet Setting...

Por falar em Patetolândia, adoro ler revistas cor de rosa, principalmente porque não conheço 80% das pessoas entrevistadas ou fotografadas! Acho brilhante que se aplauda malta que não faz absolutamente nada enquanto andamos a trabalhar que nem uns mouros. Não sei se sou eu que sou muito reivindicativa. Digam-me lá, acham que sou muito revolucionária? Acham que refilo muito?

Desabafos: Patetolândia

Sem desprimor para o senhor Pateta - ou Goofy, na terra dele -, hoje acordei a pensar que nos tornaram num país de patetas. Esta é a Patetolândia, falamos Patetês e somos uns grandes Patetas.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Whatever...: Motivate this!

Eu hoje venho aqui falar de motivação. Disseram-me uma vez que o nível de motivação depende de nós. Afinal, se à nossa volta tudo corre mal, somos nós que temos de lutar para que a nossa motivação não seja afectada e continue nos píncaros. Certo? Errado!

A motivação é algo interior, íntimo, que se expressa em comportamentos de acção positiva. É algo de bom, que sentimos internamente e que nos permite avançar positivamente, e que, na minha opinião, está entre dois momentos. O primeiro momento é aquele que nos motiva, e o último, aquilo que construímos de bom com base na nossa motivação. Vejamos o exemplo da escola: Temos uma boa nota num teste, sentimo-nos motivados e o resultado é estudar mais, com mais força de vontade. De facto, motivação e força de vontade caminham lado a lado. Uma dá origem à outra e permanecem para sempre interligadas.

Mas é facto que a motivação, apesar de ser pessoal, ser uma coisa muito nossa, está dependente de vários factores externos. É claro que somos todos diferentes. Cada um fará uma gestão diferente da sua motivação pessoal, uns conseguem manter a sua motivação nos piores momentos, outros só a conseguem alcançar com acontecimentos especiais.

Por vezes no trabalho, o reconhecimento, quando bem usado pelas hierarquias, é um factor externo que pode dar um boost à nossa motivação e encher-nos de força de vontade. Assim trabalhamos melhor, os superiores ficam satisfeitos e no fim ficam todos contentes. É o efeito bola de neve que, quando usado no sentido inverso pode ter efeitos perversos. Se não somos reconhecidos ou recompensados pelo bom trabalho que consideramos ter feito, não somos motivados, ficamos com menos força de vontade e, para alguns, a produtividade baixa.

Se é isto que vos acontece, tentem reverter a situação. Entrar no loop da desmotivação é dar voltas sem chegar a lado nenhum. Não há resultado positivo que possa advir da falta de vontade e da irritação que se pressupõe.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Críticas: Os casos Queiróz, Mourinho e Paulo Bento

Já temos um novo seleccionador. A decisão só demorou 3 meses a ser tomada. Sim, 3 meses. Foi há 3 meses que Portugal esteve no Mundial de Futebol na África do Sul e teve aquela prestação.

Temos com isto vários pontos de interesse para pensar.

"Aquela prestação" não foi assim tão má. Afinal de contas passámos a fase de grupos e fomos eliminados por aquela que se tornou a selecção campeã do Mundo. Não parece mau de todo, mas é. Não a derrota com a Espanha mas as exibições, os casos, o ambiente vivido no seio da comitiva toda, jogadores, equipa técnica e staff. Aliás tudo isto já não era bom na fase de apuramento, conseguido in extremis com um play-off ganho à rasca à poderosa selecção da Bósnia.

Carlos Queiróz, por muito que se queira defender por dois campeonatos do Mundo de juniores ganhos há demasiados anos, nunca foi um bom treinador. Esta é a opinião generalizada e minha também. O seu percurso fala por si. Mas o grande problema não é ele. O problema é de quem o escolhe, de quem o contrata. Isto é, Gilberto Madaíl.

Como é óbvio, depois desta saga toda e de todos os acontecimentos ocorridos na era-Queirós, só havia uma solução: demitir o seleccionador. Escandaloso todo o processo que se seguiu para conseguir esta demissão. Mas lá se conseguiu.

Mas Madaíl conseguiu passar ao lado de toda esta polémica. Todos falaram, contra ou a favor de Queiróz. Laurentino Dias, Amândio de Carvalho, Pinto da Costa, Luis Filipe Vieira, António Simões, etc, mas Gilberto andava a preparar uma saída do problema em glória. E conseguiu. Criar a ilusão de ir buscar o melhor treinador do mundo, sabendo que nunca seria possível, mas fazer esquecer tudo o que se passou nos últimos meses.

Então que venha Mourinho. Alguém no seu perfeito juízo acharia realmente possível o Mourinho vir treinar a Selecção e por apenas dois jogos? Para já, que lógica teria ser apenas 2 jogos? E depois, alguma vez o maior clube de sempre, com os adeptos mais exigentes existentes, se permitiria ficar sem o seu "Special One", nem que seja por apenas duas semanas? Obviamente que não. E Madaíl sabia disso. Todos sabem disso. Mas todos também gostariam que essa ilusão fosse possível e por isso todos entraram nesse jogo. Inclusivamente e, para mim, surpreendentemente, o próprio Mourinho, que apesar de gostar de sair de qualquer cena como o grande heroí, foi usado como uma marioneta pelo presidente da FPF. Ilusão que deu (obviamente em zero), contrata-se então Paulo Bento, o simpático treinador que não só os sportinguistas gostam. É português, é novo, é ambicioso e já chorou numa conferência de imprensa. Cai bem.

E Queiróz? Quem se interessa agora? Ai o Conselho de Justiça da Federação anulou a suspensão de Queiróz? É indiferente, o que interessa agora é saber qual a convocatória do Paulo Bento e se ele consegue salvar o apuramento! Queiróz nunca devia ter sido Seleccionador porque é mau treinador e era óbvio que não dava em nada, mas foi mal tratado, foi injustiçado provavelmente. Mas quem tem culpa é quem manda, quem o contrata e não soube prever o desastre. E quem vai agora financiar a indemnização? Os contribuintes, claro está. Duma maneira ou de outra, seremos sempre nós. A única coisa que tenho pena é de não saber qual iria ser a convocatória do Mourinho. Ele afirmou que iria "treinar o Cristiano, o Ricardo Carvalho e o Pepe", o que não deixa de ser curioso para quem chegou a afirmar que se fosse Seleccionador não convocaria brasileiros. Mas fica para outra.

Whatever...: O xixi da agricultura

Num debate sobre a agricultura portuguesa, o economista João César das Neves, referindo-se aos incentivos dados aos agricultores, diz: "As ajudas são sempre um momento confortável. É como urinar na cama. Ao princípio está tudo quentinho, mas depois percebemos que afinal está também tudo sujo."

Ficam vários temas por explanar. Antes de mais, não será a experiência que cada um tem com o seu xixi nocturno, uma limitação para perceber esta metáfora? Quem não urina na cama, como pode perceber se é, de facto, confortável e sujo? E quem só dá conta quando o xixi está frio? E se há alguém que aprecie o quentinho e não se chateie com o sujo? São questões importantes que eu acho que aniquilam a tese do economista...

Nota: Poderão confirmar esta intervenção do economista João César das Neves no jornal Oje de 23/09/2010.

Whatever...: Freud explica!

Faz hoje anos que morreu Sigmund Freud. Mais precisamente 71 anos. O ilustre fundador da psicanálise é uma grande figura na vida de muita gente. Porquê? Porque para tudo, Freud tem uma explicação. Há um problema emocional, um choro desmedido? Freud explica. Há uma alegria estranha que surge repentinamente no indivíduo e que o faz gritar desalmadamente? Freud explica. Freud explica tanto, que explica mais do que uma enciclopédia de 7 quilos.

Para além de apresentar vários estudos inovadores, Freud debruçou-se especialmente sobre o uso médico da cocaína. Imagino que não deve ter corrido muito bem, tendo em conta aquilo que sabemos hoje sobre essa droga...

Outro tema interessante e muito desenvolvido por Freud é o da sexualidade. Gosto especialmente do seu argumento em que todos os seres humanos nascem polimorficamente perversos. O que é que isto quer dizer? Procurem, cultivem-se! Seus perversos...

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Whatever...: The quê?

Já viram esta imagem nas paragens deste país? Não conheço esta nova série, mas que cara de coitadinho-pobrezinho-orfãozinho é aquela?

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Whatever: Agora é que é: o momento porque todos esperavam

"O amor? Começa com grandes palavras, continua com palavrinhas, termina com palavrões."

- Petite pluie ...: comédie en un acte‎ - Página 24, de Edouard Pailleron - Publicado por Calmann Lévy, 1881 - 48 páginas




É a história mais velha do mundo. Amam-se, Querem-se, Apoiam-se mutuamente, Olham no mesmo sentido e Têm objectivos em comum, Lutam por manter a chama viva, Por superar os obstáculos contra Tudo e contra Todos. Mas por algum motivo... isso não chega. É triste, mas é a vida.




Há relações que estão condenadas à partida. Dizem que o amor vence todas as barreiras, All you need is love, Love love me do, and so on, and so on... Mas isso é nos filmes de domingo à tarde (os quais eu confesso apreciar em dias em que acordo com a boca a saber a papel de música, e o meu cérebro se encontra em estado pós-etílico). Se os protagonistas da história fossem a Jennifer Aniston ou o Hugh Grant, os Beatles até teriam a sua razão. Mas até os atrás referidos só se safam no grande ecrã, já na vida real: a Jennifer levou um bigode da Angelina, e se o nosso upsy-daisy precisa de sacar do American Express para embaciar os vidros de um carro... Bem, digamos que não é um indicador favorável. O facto é que não há relações fáceis, e o "casal" de que hoje vos falo, são o exemplo vivo daquilo que acabei de descrever.




Já adivinharam de quem estou a falar? Não? Rufo de tambores: Gilberto Madail e Carlos Queirós.  As manifestações e as juras de amor eterno alem de mútuas, eram uma constante no início do namoro, peço desculpa, contrato. É aquela fase da relação em que somos cegos aos defeitos do nosso par, em que as  mais corriqueiras manifestações fisiológicas são encantadoras, o trânsito intestinal do nosso mais que tudo chega a ser fofinho. Neste caso, para o nosso presidente da F.P.F. as borradas do seleccionador cheiravam-lhe a um whisky malte de 20 anos.

  


Mas, como diz o povo, não há mal que sempre dure, nem bem que nunca acabe. E quando o amigo Gilberto reagiu ao ao Portugal 0-0 Albânia, com uma corrida aos lavabos à la Obikwelu. E estas coisas deixam marcas no coração de uma mulher, peço desculpa, de um treinador. Aposto que cada vez que havia um arrufo, peço desculpa, uma reunião o assunto vinha à baila. "Porque é que não estavas lá para me apoiar? A tua bexiga é mais importante que eu?" Típico.




E para acabar de vez com a harmonia, sem contar com os 10 milhões que estavam a torcer pelo desquite, aparece-lhes uma espécie de sogra. Daquelas metediças, inconvenientes, venenosas, que estão sempre a dizer " tu é que sabes  o que é melhor para ti, mas arranjavas muito melhor que isto!" e "desejo-vos tudo de bom, mas ele nunca ultrapassou o relacionamento anterior!" E já sabem como é que são os filhos com as mães, peço desculpa, os presidentes de Federações de Futebol com os Secretários de Estado do Desporto. Agora podemos fazer um exercício a que eu chamo "trocar as palavras em itálico por aquelas que vou passar a referir" e consiste em, bem acho que já perceberam em que é que consiste. Palavras chave: oitavos de final e Felipão. A sogra/Laurentino Dias não se inibe de pôr o dedo na ferida, mas sempre com a melhor das intenções.




E agora acabou. Foi o fim. Parece que o divórcio vai ser litigioso, peço desculpa, a rescisão não é amigável. Estas coisas acabam sempre de forma conturbada. Especialmente quando a cama, peço desculpa, o banco  do treinador ainda não arrefeceu, e já a troca está feita. Primeiro, Madail estava inclinado para uma coisa sem compromisso. Não um caso de uma noite, mas de dois jogos. Mas parece que a dama,  peço desculpa, Mourinho está comprometido. E o marido, peço desculpa, o Presidente do Real é ciumento. 




Resumindo e concluindo, parece que a Federação já encontrou a Cinderela a quem serve o sapatinho de cristal. Parece que a decisão está tomada. O pedido de casamento, peço desculpa, o convite está feito e Paulo Bento deu o Sim. Que sejam felizes para sempre, e que tenham muito meninos, peço desculpa, muitas vitórias.




Uma última palavra para Carlos Queirós: segue a tua vida sem olhar para trás, o tempo tudo cura, e vais ver que um dia ainda vais encontrar alguém que te mereça, que veja as tuas qualidades. Um conselho: emigra, pois felizmente neste jardim  à beira mar plantado só há um Madail, e até ele te trocou por alguém que usa risco ao meio.

sábado, 18 de setembro de 2010

Whatever...: Ser colaborador do Family Frost

É uma coisa que intriga. Imagino-o a dizer todo pomposo “Ah, eu cá tenho carro da firma! E até o uso ao fim de semana!”. Fascinante. Eu admito, tal como adorava um dia guiar um autocarro e uma escavadora, só naquela de experimentar, gostava muito de guiar a carrinha da Family Frost, não só pelo seu amarelo picatchu, mas também para prender o inventor daquela buzina em cima do tejadilho, e guiar à maluca enquanto ligo o som, gritando: “gostas c*#%&, gostas?” É uma ideia…

Ficam vocês a saber, seus incultos, que a Family Frost iniciou o seu percurso pelos caminhos deste Portugal, em 1998, apesar de parecer que oiço aquele ti-ni-ni desde muito pequena. Existem 183 carrinhas por este país, a levar a todos os lados os seus congelados. Eu acho fabuloso. Estou eu aqui na fronteira entre o campo e o subúrbio e lá vem a bomba amarela, qual tweety do asfalto, cantarolando o seu ti-ni-ni.

Meninas, se todos os condutores foram como o do catálogo, aposto que a venda do croquete vai disparar em flecha depois de o folhearem! É o problema de apresentação dos produtos em catálogos, ao vivo a qualidade nunca é a mesma!

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Whatever...: Eu TGV, e você?

Nunca vi TGV que mais voltas sem ainda estarem construídos os carris! Anda por aí, em velocidade furiosa, de boca em boca, e carrega mais problemas do que algum dia carregará pessoas! Como eu desabafei em Agosto, este menino já devia de ter nascido há muito tempo... Mas há partos neste país que são muito difíceis...

Desabafos: Dia da Compreensão Mundial

Hoje assina-se o dia da compreensão mundial. Vamos lá compreender um bocado. Pronto, já está. Deixo-vos um tema mundial para tentar compreender: a FAO anunciou que a fome no mundo diminuiu, agora atinge menos de um bilião de pessoas, pela primeira vez em 15 anos. Tentem compreender, porque eu não compreendo. Como é que é possível ainda existirem tantas pessoas no mundo com fome? E não é porque a nossa mãe nos disse aos 7 anos que temos de comer tudo porque há meninos em África que passam fome...

Whatever...: Arranjem novas desculpas!

Diz que o "oh meu amor hoje não, que me dói a cabeça", não poderá ser usado como desculpa, pois os senhores doutores comprovaram que, depois do orgasmo, existe um alívio total ou parcial da dor de cabeça.

A minha questão, não querendo defender as senhoras das enxa(quenãoquerem)quecas, é a seguinte: Como é que se faz o arranque com a dor de cabeça? É preciso muita força de vontade, ou não...!

Avançando na matéria, que é de uma importância fulcral, será necessário encontrar novas desculpas. Dor de cotovelo, dor de dedo mindinho....

Como existem novos estudos que dizem que sexo pode ser importante na prevenção de depressões, não só não consigo vislumbrar mais desculpas, como posso concluir que a prostituição foi o primeiro ramo da psicologia a nascer. Et voilá, fiz a descoberta do século!

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Críticas: Eu gosto é do verão!

…por isso, e sem mais demoras, declaro Portugal um país tropical! Reparem, só falta pegar neste rectângulo à beira mar plantado e fazê-lo descer uns graus para sul. Podia ficar ali entre o Trópico de Câncer e o Equador, mais coisa menos coisa!

É só vantagens:

- Já temos pés descalços, pobreza e espírito empreendedor para vender colares nas praias;

- No norte podiam reabrir as fábricas têxteis para fazer biquínis e toalhas para os 873 resorts ”tudo incluído” que iam nascer que nem cogumelos na linha de costa. Investimento estrangeiro, claro;

- Íamos ganhar mais costa com a separação da Espanha;

- Podíamos trazer a Galiza, onde se come bem e deixar a Madeira para trás, com o Alberto, claro;

- Iniciava-se a produção de cana-de-açúcar, revertendo-se num shift do garrafão de vinho para o rum;

- Toda a população teria a possibilidade de aprender o inglês sem estudar, deitando por terra a primazia do Algarve e do Zézé Camarinha e permitindo que os custos de educação baixassem;

- Falando em educação, a discussão sobre o fecho das escolas deixaria de fazer sentido e seria incentivada: afinal os miúdos vão ser precisos nas zonas turísticas para pedir coisas aos turistas;

- Na política, o excesso de calor poderia fazer com que andassem todos à batatada na Assembleia da República, o que seria deveras engraçado.

- Mais engraçado ainda, era andarmos todos de chinelo e vê-los a suar de fatinho enquanto fazem, como se diz, política? Não… ah, nada, enquanto fazem nada!

- Longe do bacalhau, o Natal passaria a ser povoado por lagosta;

- Ninguém fazia anos de Inverno;

- Deixaria de existir aquela amostra de neve na Serra da Estrela. Com o mar ali ao pé, do lado que era de Espanha, fazíamos aqueles escorregas de areia como há no Nordeste Brasileiro, mas com mais pinta e declive;

- Muito boa gente podia levar com uns cocos na cabeça, que só fazia era bem…

Amigos da fronteira, comecem a escavar!

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Whatever...: Allgarve!

Foram ao Algarve este ano? Eu encontrei menus à porta dos restaurantes em Português! Juro! Que se abra um buraco no chão e que as entranhas da terra me arranquem os olhos e os levem, se isto não é verdade! Esta minha descoberta vai alterar a espécie "menu em português" de extinto na natureza para em perigo crítico!

Críticas: Penso, logo, evacuo.

A premissa de Decartes - Penso, logo, existo – já proporcionou muita discussão filosófica. Eu que o diga, que sempre detestei filosofia. Para mim, antes de pensar já existo, em corpo, espírito, ou emoções.

Para muitos, o pensar poderá ser sinónimo de expelir algo que, claramente, lhes está a fazer mal dentro do corpo. Basta ler muito jornal em Portugal, ouvir comentadores, ou até mesmo, imagine-se, um relato da bola. As palavras que se juntam nas bocas de muito boa gente poderiam fazer esgotar o papel higiénico em Portugal, em 1 único dia.

Desfazendo a premissa - penso, logo, evacuo -, podíamos começar por dizer que o “pensar” não existe. No entanto, algum esforço mental deve existir para que o resultado cheire tão mal. Denota-se um raciocínio, ainda que ilógico, e, havendo raciocínio, podemos concluir que há o pensamento que o faz nascer.

Assim, o acto de pensar evolui para o acto de obrar por razões muito simples: há uma grande concentração de caca que sai do pensamento de muita gente com opinião neste país (ainda me terão de explicar porque raio têm opinião e a partilham), e esta concentração de excremento tem de sair de alguma forma; e, claramente que cheira mal.

O problema de cheirar mal não é só pelo próprio incómodo nasal, é também pelo facto de se prolongar no tempo, teimando em ficar nas nossas narinas. De referir que também são cheiros rapidamente substituídos por outros que tendem sempre a ser piores.

Desta forma, vemo-nos sempre acompanhados pela náusea provocada pelos pensamentos de caca. A única solução à vista é ripostar, comprando um ambientador ou, em última instância, não ligar a televisão ou ler jornais… Mas esta é uma má solução, pois perdíamos aquela caca especial que nos faz rir a bandeiras despregadas!

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Críticas: Greve na PSP

A PSP quer fazer greve. Dizem que é inconstitucional, o que quer dizer que é ilegal, imoral, proibido... Entendo. Temos a Constituição, e temos de a respeitar. Não há nenhuma emenda, como nos States, que os salve. O que seria deste país sem o efectivo da PSP a funcionar em pleno? Esquadras com só um polícia ficariam sem polícias... Aquele carro da PSP que vêem passar na vossa rua uma vez por semana, passaria apenas uma vez por mês.

É esta a triste realidade. Existem poucos efectivos, ganham mal, põem a vida em risco e acho que ainda têm de comprar a farda...

Questão de algibeira: Será que a Constituição, essa senhora de respeito, com "C" grande, também considera imoral, ilegal e talvez proibido a falta de condições de trabalho dos polícias? Também considero exagerada a ideia de pré-aviso de greve para uma altura fulcral para Portugal, que vai ser palco de um grande encontro Internacional, o tal meeting da NATO. Ok, não fazem greve, não podem, não deixam, não devem. Então, como resmungar?

Não me considero sindicalista, mas todos temos o direito a expressar a nossa insatisfação, quer individualmente, quer no colectivo. Se não podem fazer greve, então expressem o seu descontentamento ao Governo, e este que faça qualquer coisa. Mas qualquer coisa para os ajudar, não é para fazer pior...

Whatever: Aviso à navegação: isto não é um blog de Gaja





Conhecem a história da Cinderela versão 2010? Não? Passo a relatar:


Era uma vez A Gaja. A Gaja chamava-se Cinderela, Cin para os amigos. A Gaja Cinderela tinha um emprego entediante, mal pago, e que não a fazia sentir-se realizada. Não que ela se esforçasse muito (nem muito nem pouco a bem da verdade) para progredir na carreira. Aliás a alcunha dela era Miss Serviços Mínimos.  Um corte de papel era o suficiente para accionar o seguro para acidentes de trabalho. Para isso e para uma semana de baixa em casa, a reler  a obra completa da Margarida Rebelo Pinto.


Curiosamente, apesar do seu salário corresponder a 2 horas no SPA que ela frequentava (por necessidade absoluta é claro, ela não podia viver sem o seu "Envolvimento em Algas Orientais" semanal, simplesmente não podia), a gaja conseguia manter um estilo de vida que faria a Victoria Beckham corar. Ora vejamos:

- Mora num duplex no Chiado, cujo valor é superior ao PIB do Burkina Faso.

- É cliente frequente de restaurantes em que o nome dos pratos e a extensão de dígitos na conta são mais longos que os nomes dos filhos do D. Duarte e da Isabelinha, e a quantidade de comida é inversamente proporcional.

- O guarda roupa dela foi avaliado num valor semelhante à ala Egípcia do Louvre, e a quantidade de sapatos é superior ao número de japoneses de máquina em punho em frente à Mona Lisa.

- A sua religião também tem um Santíssima Trindade: Cabelos, Manicure, Maquilhagem. É mais fácil encontrar um milímetro no corpo da Betty Grafstein que nunca tenha visto um bisturi, que um descuido no penteado, unhas ou gloss d'A Gaja. Tudo graças a uma parafernália de produtos cosmésticos high-tech. E high-price, como é óbvio.




Um belo dia, A Gaja entregou um recado ao chefe com um nome e um número de telefone, o que para a Gaja representava um desafio da magnitude de uma travessia do Canal da Mancha a nado. O Chefe (que a tinha recrutado não tanto pelos valores presentes no certificado de habilitações, mas mais pelo 36 Copa C que se lhe adivinhava debaixo da blusa) disse-lhe: "Escreve muito bem!". Este elogio tratava-se claramente de uma alusão à caligrafia, a qual A Gaja tinha aperfeiçoado em detrimento da ortografia. Mas não foi isso que ela depreendeu.



E então pensou: É isso. É isso que eu preciso de fazer. Vou escrever. É isso mesmo, vou escrever. Ainda para mais os blog's são tão trendy, não podiam ser mais fashion! E vai daí cria um blog sobre... Sobre... A sua vida. Para quê cansar os neurónios com mais, com um material tão precioso, tão à mão de semear.


E assim foi, criou um blog sobre a sua vida, isto é, sítios trendy, spot's fashion, um manancial de informação sobre as roupas, os cremes e todos as outras coisas que um cartão de crédito pode comprar e que indubitavelmente mudaram a sua vida. Ou seja, mais publicidade que as Páginas Amarelas.

And last but not the least, não nos podemos esquecer do mais importante no blog d'A Gaja: As Relações/ Os Sentimentos d'A Gaja. Ou para ser mais rigorosa: Os Gajos d'A Gaja e/ou os Gajos que a Gaja queria mas não conseguiu pôr a unha. Relativamente a este tema há duas possibilidades:



- Quando está apaixonada: " O amor é a melhor coisa do mundo (...), só ele me fez sentir mulher e me leva ao céu todas as noites só com um olhar. O melhor amor não é o primeiro, é o último (...) agora sim encontrei o homem da minha vida! E tenho a absoluta certeza que é para sempre (...) a paixão só morre se nós deixarmos."




- Quando levou com os pés/apanhou-o com outra/percebeu que ele cheirava mal dos sovacos: "Agora sim sou uma mulher plena (...) sou livre e posso cuidar de mim e preocupar-me realmente comigo! Sou muito mais feliz sozinha (...) e hei-de encontrar alguém que me mereça, embora não precise de um homem para rigorosamante nada, desde que inventaram os massajadores faciais! Foi bom enquanto durou (...) o tédio matou a relação inevitavelmente!"



E basicamente foi isto. Os seguidores empolgados são mais que muitos, as revistas cor de rosa fucsia anunciam o endereço do blog como a melhor invenção depois da roda, o Santo Graal, o elixir da eterna juventude. Vem o livro do blog, recebe mais convites para festas que uma ex-mulher/ex-namorada/ex-one night stand de jogador de futebol e A Gaja vive feliz para sempre...



Pelo menos até perceberem que ela não é nada sem o corrector ortográfico do Windows, e que existem pelo menos 756 Gajas iguais a ela só no concelho da Amadora, a fazer mais do mesmo...



segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Whatever...: Ideias para jovens empreendedores!

Como a minha imaginação é profícua (gosto desta palavra), lembrei-me do seguinte. Ora, se um dia a venda de droga é legalizada, vai ser necessário criar uma empresa de venda de droga. Com as facilidades que hoje existem, é só ir á Internet e criar a empresa na hora!

Para criar uma empresa, as burocracias são hoje muito menores do que há um tempo atrás. Ainda assim, há uma temática fácil para uns e difícil para outros: o nome da empresa! Pois bem, foi a pensar nos futuros empresários em nome individual (ou colectivo, cada um sabe de si), que eu compilei alguns nomes bastante sonantes. Com os nomes que sugiro, qualquer um pode ser um jovem empreendedor, capaz de singrar no mundo da droga liberalizada:

- Carocho e Filhos, LDA;

-Bolota e Companhia, SA;

- Cheirinhos e pózinhos da Tia Misé;

- Alucinó-Silva & Irmãos;

- Toxicocenas e derivados.

É só escolher meus amigos! Ah, e esperar, ou emigrar para a Holanda!

sábado, 4 de setembro de 2010

O inimigo público em pobrezinho: Evangelho segundo Aníbal e José

"Papa condecora Cavaco Silva e José Sócrates"
Expresso, 28 de agosto de 2010





Sim, eu sei, é um facto. As condecorações são tão difíceis de obter como os brindes do HappyMeal. Ou uma doença venérea na cama da Elsa Raposo.





Tenho praticamente a certeza que fui das poucas, senão a única, a não receber um galhardete das mãos do nosso soporífero ex-Presidente Sampaio. Tenho a secreta convicção que ele decidiu atribuir uma condecoração por cada sarda que tem no corpo. Se não fossem as ilhas, a sua missão teria ficado aquém.





Mas justiça seja feita ao Alemão de branco. A distinção de Cavaleiro de Ordem Piana  não poderia estar melhor entregue que ao Prof. Enfarda Bolo-Rei/ Sr. Gosto mais de um tabuzinho que de um D. Rodrigo, também conhecido por Aníbal Cavaco Silva.





Por sua vez, a nomeação de Cavaleiro de Ordem de São Gregório não podia estar em melhores mãos que as do Sr. Manso é a tua tia e Quem diz é quem é/ Eng. "O Inglês Técnico é uma treta, pá!", isto é, José Sócrates.




Estes nossos representantes, eleitos democraticamente (e aqui ponham a mão direita em cima do coração enquanto repetem Mea culpa, minha tão grande culpa), são os "Perca Peso,Pergunte-me Como" da Igreja Católica. São os melhores angariadores que Ratzinger podia pedir a Deus (se calhar encomendou-os mesmo ao Grande, tipo La Redoute Celestial...).





Não me consigo lembrar de ninguém que aproxime tanto o povo luso da Santa Madre Igreja, como estes dois "Cavaleiros". É impossível passar um dia sem ouvir alguém dizer  "Este Governo é de bradar aos Céus!" ou "Se estivermos à espera que o Cavaco resolva alguma coisa, valha-nos Deus!"




Não se deve subestimar o poder evangelizador de um mau Estadista ou de um Político incompetente. Nada para pôr o País de joelhos e levantar as mãos ao alto, como uma Comunicação ao País do nosso Presidente ou do nosso Primeiro.





Jesus Cristo disse a Pedro "Vai e Espalha a Palavra!" Palpita-me que Bento XVI segredou ao ouvido do Aníbal e do José "Governem e Espalhem o Medo!" (favor ler com sotaque de Coronel da Gestapo)